Opinião - 4 de dezembro de 2018

O custo de oportunidade de uma oportunidade perdida, uma Carta Aberta de Bertrand Piccard aos Negociadores da COP24

bertrand piccard discurso

Escrito por Bertrand Piccard 4 min de leitura

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

Caros Negociadores da COP24,

Durante estas próximas semanas, em Katowice, Polónia, terá de decidir sobre as medidas urgentemente necessárias para assegurar a qualidade de vida futura na Terra para a humanidade. É disso que se trata a COP24. Compreende melhor do que a maioria as consequências dramáticas, mesmo de um pequeno aumento da temperatura global. O Acordo de Paris, que o mundo inteiro saudou em 2015, deve ser visto como um começo e não como um fim em si mesmo. Poderá muito bem permanecer letra morta se nos faltar a coragem política para assegurar que este compromisso internacional resulte em realidade operacional. Cabe-lhe agora a si definir o que será necessário para o implementar.

Tem de aceitar que esta enorme responsabilidade está nas suas mãos. É claro que poderá resistir e cavar em posições enraizadas. Ou pode agir como heróis e estar à altura do desafio de criar o quadro que nos permitirá descarbonizar a nossa economia o mais rapidamente possível. A escolha é difícil: estagnação ou progresso, timidez ou audácia. Qual vai escolher?

Nunca lhe pediria que fizesse esta escolha se ela implicasse sacrifícios pelos seus países, pelo seu povo ou pelas suas economias. Felizmente, trata-se de algo mais. Graças à evolução tecnológica, a luta contra o aquecimento global já não é um constrangimento. Muito pelo contrário: tornou-se uma enorme oportunidade, e eu vejo-a dia após dia. Desde o sucesso do primeiro voo à volta do mundo por avião solar e através da Solar Impulse Foundation, conheci centenas de empresários e inovadores que oferecem soluções nos campos da água, energia, mobilidade, cidades, agricultura e indústria. E ao contrário de há dez anos atrás, os novos sistemas, produtos e tecnologias que compõem estas soluções tornaram-se agora financeiramente viáveis. É assim que, tanto nos países mais pobres como nos mais ricos, podemos criar empregos e riqueza, reduzir as desigualdades, aumentar a estabilidade social e impulsionar o crescimento, protegendo ao mesmo tempo o ambiente. Por outras palavras, podemos alcançar um crescimento limpo e qualitativo que é claramente preferível à nossa actual situação de contaminação. A substituição de infra-estruturas ultrapassadas e poluentes por infra-estruturas modernas e eficientes é a oportunidade do mercado industrial do século XXI.

Sabia que os edifícios podem agora ser tão bem isolados que se tornam neutros do ponto de vista energético? Ou que a energia necessária para aquecimento pode ser reduzida por um factor de quatro e para iluminação pública e privada por um factor de dez? Agora até podemos utilizar a energia solar para dessalinizar a água do mar. Sistemas de controlo inteligentes podem ser instalados para equilibrar a produção, armazenamento e utilização de energia ao ponto de reduzir para metade o consumo de uma população; plástico biodegradável pode ser produzido a partir de proteína do leite; as emissões de metano das vacas podem ser reduzidas em 30% com um simples aditivo alimentar. E até que os únicos veículos na estrada sejam eléctricos, podemos reduzir as emissões de partículas dos motores de combustão interna em 80% graças a um sistema de melhoria da combustão. Além disso, em metade dos países do mundo, a energia solar e eólica já produz electricidade até 3 vezes mais barata do que o gás, carvão e petróleo.

Estes são apenas alguns exemplos de tecnologias limpas. O meu objectivo é trazer até si e aos decisores mundiais 1000 delas, de modo a provar que as soluções já existem e encorajá-lo a adoptar políticas energéticas e objectivos ambientais muito mais ambiciosos. Em breve terá de decidir sobre as suas "contribuições determinadas a nível nacional" (NDC), que são a pedra angular da luta contra as alterações climáticas. Estas CND serão uma prova do seu empenho em integrar a existência destas soluções. Por isso, pense a longo prazo e seja ousado!

Inovadores e empresários em todo o mundo estão a esforçar-se por inventar soluções para as alterações climáticas e construir uma sociedade mais eficiente, limpa e justa. As suas soluções tornam possível reduzir custos, aumentar o desempenho e melhorar as condições de vida sem utilizar combustíveis fósseis. Mas enquanto aceitarmos como padrão a poluição, o desperdício e a libertação ilimitada de CO2 para a atmosfera, quem irá investir nestas novas soluções?

Não é apenas pelas alterações climáticas que as suas decisões são fundamentais, mas também contra a poluição. Todos os anos, a toxicidade do ar mata 6,2 milhões de pessoas e causa ainda mais sofrimento. Isto é inaceitável, tanto em termos de custos humanos como de saúde pública. Seria um tal desperdício não agir, e ninguém vos perdoaria, muito menos vós próprios.

É portanto essencial que mudem as regras do jogo. Têm a responsabilidade de levar estas soluções ao mercado, modernizando o quadro regulamentar a todos os níveis: protecção da biodiversidade, produção agrícola, processos industriais e consumo de energia. O poder está nas vossas mãos para acelerar a sua implantação. Estou convencido de que podemos descarbonizar as nossas economias muito antes de 2050. Melhor ainda, temos a oportunidade de fazer a transição para um crescimento sustentável a nível mundial. Deve ver isto como uma agenda unificadora, uma ocasião única para reunir os países do mundo em torno de uma visão comum.

Sei que muitos ainda têm medo da mudança. Alguns ainda duvidam que a mudança climática seja mesmo um fenómeno provocado pelo homem. É essencial falar a sua língua, e dizer-lhes que as soluções tecnológicas de hoje são tão lógicas como ecológicas. Mesmo que o clima não estivesse em perigo, a adopção de tecnologias limpas faria sentido do ponto de vista económico e financeiro.

Caros Negociadores da COP24, espero poder confiar em vós para estar à altura da tarefa em mãos, e para integrar nas vossas discussões o facto de que existem soluções rentáveis. Cabe-vos a vós estar no lado certo da história.

Dr. Bertrand Piccard
Iniciador e Presidente da Fundação do Impulso Solar




Texto inicialmente publicado em Le Monde (em francês):

https://www.lemonde.fr/idees/article/2018/12/03/bertrand-piccard-grace-aux-technologies-la-lutte-contre-le-rechauffement-n-est-plus-une-contrainte_5392113_3232.html

Escrito por Bertrand Piccard em 4 de dezembro de 2018

Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!