Opinião - 12 de novembro de 2021

Cidades, tanto problemas como soluções

Escrito por Bertrand Piccard 4 min de leitura

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

Ontem foi o dia das cidades e construções na COP26. Responsáveis por mais de 70% das emissões globais, incluem também a maioria das soluções aplicáveis imediatamente, utilizando tecnologias limpas e inteligência colectiva.

Hoje, mais de metade da população mundial vive em cidades com 3 milhões de pessoas a mudarem-se para lá todas as semanas. Para absorver estas novas chegadas, o mundo assiste ao aparecimento de novas infra-estruturas imobiliárias tão grandes como Nova Iorque a cada 34 dias! Não admira então que os edifícios e habitações sejam responsáveis por mais de 70% das emissões globais de gases com efeito de estufa, um número que está constantemente a aumentar. À primeira vista, este número é assustador. Mas se pensarmos duas vezes, a concentração destes incómodos em áreas bem definidas é uma grande oportunidade para agir com maior eficácia: se todos os problemas se concentrarem aí, as soluções também o são!


Construir de uma forma mais ecológica

A primeira questão é procurar construir de uma forma mais ecológica. O betão é o recurso mais utilizado no mundo depois da água. Produzimos 30-35 mil milhões de toneladas de betão por ano, o que representa 8-10% das emissões globais de CO2, uma quantidade enorme para apenas um material. Mas existem soluções: a maioria das emissões de CO2 durante a produção de betão provém da decomposição do calcário, mas esta reacção química pode ser optimizada. Os fabricantes de cimento são agora capazes de reduzir as suas emissões em 50% e estão a avançar para um cimento que capta mais CO2 do que emite. Existem também técnicas para utilizar 20% menos betão, utilizando um sistema de malha que os torna igualmente estáveis.

Para além da optimização, surgem alternativas. Aparas de madeira tratadas como agregados leves começam a substituir a areia e a pedra no betão; os materiais de construção são feitos de madeira; o cimento incorpora resíduos de demolição previamente tratados para substituir a matéria-prima.

Estas são as vias a serem exploradas em regiões com forte crescimento demográfico, para conceber projectos neutros em carbono desde o seu início, reduzindo ao mesmo tempo a factura energética dos residentes. O investimento inicial é cerca de 10% superior ao de edifícios mal isolados, mas paga-se a si próprio em menos de 10 anos de poupança de energia. A solução virá aqui do mundo financeiro que concordará com o que é chamado "investimento inicial".


Questões diferentes, respostas diferentes

Mas é evidente que as cidades do mundo respondem a problemas muito diferentes: enquanto, por exemplo, as cidades de África e do Sudeste Asiático emitem anualmente cerca de 1,5 toneladas de CO2 per capita, as da Europa estão a 5 toneladas e as dos Estados Unidos e da Austrália a 15 toneladas. Por conseguinte, as respostas a dar são diferentes. Para esta última, será necessária a modernização de todas as infra-estruturas existentes. Este é um sector chave porque envolve a renovação de quase tudo: isolamento térmico, optimização do aquecimento e da refrigeração, gestão do consumo de energia, eficiência da iluminação, etc. Como a renovação dos edifícios existentes se tornou rentável graças à poupança de energia obtida, a questão já não é técnica, mas legislativa. Como permitir a um proprietário que investe num imóvel valorizar o seu investimento, reembolsando-o com parte da poupança realizada pelos inquilinos? Todos beneficiariam.

Os regulamentos, por seu lado, deveriam proibir o aquecimento e o ar condicionado excessivos, responsáveis por um incrível desperdício de energia? No interesse geral, certamente, quando sabemos que uma temperatura ambiente de 25°C requer 40% mais energia do que 20°C. Mas a resistência é susceptível de ser forte.

Políticas públicas

Também é evidente que estas soluções devem ser acompanhadas por políticas públicas que apoiem a sua implantação. A nível mundial, uma grande parte do parque habitacional urbano está nas mãos dos promotores. À escala de uma operação financeira, os ganhos renováveis não pesam muito. A fim de iniciar a transição, poderíamos, por exemplo, pôr em prática uma política pública que autorizasse uma altura adicional a um edifício, desde que este fosse encimado por uma estrutura renovável (painéis fotovoltaicos, energia eólica urbana, solar térmica, etc.) . Foi assim que os Correios do Louvre em Paris foram reestruturados num hotel, integrando uma infra-estrutura renovável no último andar.

Se as cidades dos Estados Unidos e da Austrália têm um desempenho muito superior ao do resto do mundo no que diz respeito às emissões de CO2, é também porque são construídas em torno de automóveis. Assim, a revolução dos transportes parece essencial para lutar contra a crise climática e a poluição atmosférica. O desenvolvimento dos transportes públicos é óbvio, desde que, evidentemente, sejam electrificados. A mobilidade individual, por seu lado, deve também tornar-se eléctrica, e servir para armazenar, nas baterias dos veículos estacionados, a energia renovável intermitente de que a comunidade necessita.

Quando se vêem todas as soluções que já existem hoje, o status quo apoiado pela falta de imaginação é um pesadelo. Faz-me lembrar o início do projecto Solar Impulse, quando os fabricantes de aviões me disseram que o sol nunca daria energia suficiente. Contudo, conseguimos construir uma aeronave ultraleve, utilizar materiais alternativos e inventar novas técnicas de fabrico. Mudámos completamente o paradigma! Estou optimista de que também o conseguiremos nas áreas da construção, habitação, energia e mobilidade para finalmente tornar as cidades sustentáveis.

Escrito por Bertrand Piccard em 12 de novembro de 2021

Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!