Opinião - 18 de dezembro de 2020

Lentos COPs levam a uma frustração saudável

- Foto por Licenciado sob CreativeCommons BY 2.0

Escrito por Bertrand Piccard 4 min de leitura

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

Então, o que resta do COP21? Acima de tudo, muita frustração. Mas longe de ser inútil, esta frustração ajudou a dar um passo em frente. Foi o que tornou possível mover as linhas. Apenas, não como se esperava.

No COP21, no meio da digressão à volta do mundo do Solar Impulse, participei nestes 10 dias de discussões pelas quais o mundo esperava desesperadamente. Vi como cada detalhe semântico, cada vírgula, foi amargamente negociado. Como o equilíbrio do poder foi jogado em torno de um surpreendente acordo entre Obama e Xi Jinping para se tornarem líderes climáticos. E a explosão final de alegria quando os 195 Chefes de Estado e de Governo se comprometeram a manter o aumento da temperatura atmosférica "bem abaixo dos 2°C, se possível 1,5".

Todos os países se comprometeram a apresentar dentro de 5 anos uma lista de compromissos denominada "Contribuições Determinadas a Nível Nacional", expressando os seus máximos esforços. Para assegurar o apoio dos países mais vulneráveis, que acusaram as nações ricas de serem a única fonte do problema, um Fundo Verde para o Clima de 100 mil milhões de dólares por ano deveria fornecer-lhes a assistência necessária para se adaptarem às alterações climáticas.

Vê-se que já ninguém estava a evitar o problema, como se a luta já estivesse perdida, mas apenas na tentativa de reduzir os seus efeitos.

Cinco anos após este imenso surto de esperança, a observação é irrefutável: o problema climático cresceu exponencialmente, enquanto os nossos esforços cresceram de forma linear, alargando o fosso entre o que devíamos estar a fazer e o que estamos realmente a fazer.

As quatro conferências climáticas seguintes, apesar dos esforços dos seus organizadores, abalaram o consenso internacional, com muitos países em situações irreconciliáveis. Como é que as turbinas eólicas dinamarquesas se encaixam nos poços de petróleo sauditas? Dentro da Europa, carvão polaco com fotovoltaicos espanhóis?

Então, o que resta da COP21? Acima de tudo, muita frustração. Mas longe de ser inútil, esta frustração ajudou a dar um passo em frente. Foi o que tornou possível mover as linhas. Apenas, não como se esperava.

Em Paris, os Estados estavam à frente do mundo económico e as empresas resistiam. Hoje, estamos a ver precisamente o contrário. Com nada a avançar - excepto as emissões de CO2 e as greves de jovens - os actores locais e privados estão a assumir o problema. Algumas regiões, como a Escócia, anunciaram que querem alcançar a neutralidade de carbono 10 anos antes de todos os outros. As empresas estão a formar coligações verdes, na moda, na navegação, na indústria, no digital e nas finanças. Os Estados americanos opõem-se ao Trump e decidem seguir unilateralmente os Acordos de Paris. As cidades tomaram as medidas que puderam ao seu próprio nível para sair da paralisia. Sim, a frustração despertou o mundo, 5 anos e alguns gigatoneladas de CO2 mais tarde.

Esta reacção bem-vinda do mundo capitalista deve ultrapassar os movimentos ecológicos para evitar a radicalização que sentimos que se aproxima. É muito provável que, ao não ter em conta o bem-estar das pessoas e do seu ambiente de vida, o sistema actual esteja em sério perigo de ser varrido por uma onda de protesto verde e popular. Recordemos o czar Nicolau II que disse: "Fiz tudo pela Rússia" a Lenine que respondeu: "Sim, mas nada pelo povo". É vital que se fale a mesma língua.

Penso que existe um problema de percepção da questão. As alterações climáticas são para muitos um problema que está distante no tempo e diz respeito às gerações futuras, difícil de compreender hoje, muito caro de resolver, e pelo qual teríamos de sacrificar o que mais valorizamos no nosso estilo de vida. Não é fácil passar uma pílula deste tipo. Não seria mais tangível falar dos problemas muito visíveis a curto prazo: poluição atmosférica que mata 8 milhões de pessoas por ano? O esgotamento dos recursos naturais, as toneladas de resíduos abandonados na natureza, e os riscos financeiros que isso representa? A necessidade imperativa de resolver por eficiência o imenso desperdício da nossa sociedade actual? O perigo das desigualdades e do caos social que o mundo enfrenta? Apesar de tudo, o mérito das alterações climáticas tem sido no entanto o de unir o planeta em Paris.

Algo mais mudou nos últimos 5 anos: a espectacular rentabilidade das tecnologias limpas e das energias renováveis. Em metade do mundo, a electricidade fotovoltaica é agora mais barata do que a energia fóssil ou nuclear, e os investimentos em eficiência de recursos podem pagar-se a si próprios através da poupança. Existem centenas de soluções em todas as áreas da indústria, energia, mobilidade, agricultura e edifícios que tanto protegem o ambiente como geram riqueza e empregos. Para o fazer, os decisores devem tomar consciência disto e adoptar normas ambientais muito mais ambiciosas, a fim de trazer estas novas tecnologias para o mercado.

O problema está precisamente aí: o nosso quadro jurídico baseia-se em tecnologias antigas e ineficientes, permitindo aos poluidores afirmar que o que estão a fazer é legal. Existem regulamentos nas áreas da saúde, educação, e justiça. Mas todos podem ainda libertar tanto CO2 quanto queiram para a atmosfera, capturar quantos peixes quiserem e esgotar os ciclos de reprodução, ou queimar petróleo à vontade. A imprevisibilidade da legislação e o risco de distorção da concorrência impedem a indústria de investir espontaneamente numa produção mais limpa. Esta situação é um disparate tanto ambiental como económico.

Para se poder avançar, é agora necessário alinhar a pressão popular que assusta, soluções que tranquilizam e um quadro jurídico ambicioso. Que a frustração do fracasso nos empurre para lá.


Publicado pela primeira vez emLes Echos

Escrito por Bertrand Piccard em 18 de dezembro de 2020

Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!