Opinião - 2 de junho de 2022

O clima: Como não ter um "Estocolmo +100"

- Foto por ©Solar Impulse Foundation - Peter Sandground

Escrito por Bertrand Piccard 4 min de leitura

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

Cinquenta anos após o relatório Meadows sobre "Limites ao Crescimento" e a primeira Cimeira da Terra em Estocolmo, a reunião Estocolmo+50 realiza-se esta semana a 2 e 3 de Junho. Ancorada na Década de Acção, sob o tema "Estocolmo+50: um planeta saudável para a prosperidade de todos - a nossa responsabilidade, a nossa oportunidade", será esta reunião de alto nível a última ou teremos de esperar mais 50 anos?

Há 50 anos atrás, eu era um adolescente da geração dos "Trente Glorieuses" (o boom pós guerra de 30 anos). O mundo foi banhado por um discurso entusiástico que, a coberto do progresso e do crescimento em todas as direcções, falava mais da economia do que do ambiente.

Dentro deste contexto, o meu pai, Jacques, foi também um pioneiro. Depois de tocar o fundo dos oceanos, participou na Cimeira da Terra. Foi uma época em que a ecologia estava tão ausente da arena política que muitos governos se viram impotentes. O Irão pediu então ao meu pai para liderar a sua delegação nacional na primeira conferência internacional sobre o ambiente, em Estocolmo, em 1972. Não era ainda uma questão de alterações climáticas, mas sim de poluição, sobrepopulação e esgotamento dos recursos naturais. Lembro-me de o meu pai estar muito preocupado com as conclusões do relatório Meadows "Limits to Growth" (Limites ao Crescimento). Como poderíamos prever um crescimento económico que queríamos infinito com recursos planetários limitados? Ele mostrou-me projecções de que em 2030, se nada mudasse, a população mundial poderia sofrer um colapso catastrófico. Profecia? Distopia? Com o saque dos nossos recursos naturais, será que a humanidade corria para a ruína?

A primeira Cimeira da Terra, realizada há 50 anos em Estocolmo, abriu caminho à diplomacia ambiental com a criação do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA). Pela primeira vez, as questões ecológicas atingiram o nível internacional. O ambiente foi finalmente reconhecido como um direito fundamental, e mesmo um dever.

Foi o momento em que o mercúrio foi lançado ao mar, os fosfatos aos rios e os CFCs à atmosfera. Perante a ausência de soluções técnicas para fazer melhor, havia apenas duas abordagens possíveis: o decrescimento, rejeitado por quase todos os actores, e regulamentos, lutados em nome da liberdade de fazer negócios. No entanto, foram estabelecidas e parcialmente aplicadas regras que levaram a certos sucessos, como a reparação da camada de ozono e a luta contra os fumos industriais que estavam a causar a morte das florestas.

Na terceira Cimeira da Terra no Rio de Janeiro, em 1992, os 170 Chefes de Estado assinaram um programa de acções sustentáveis que não alterariam o desenvolvimento económico. Foi o advento do "desenvolvimento sustentável". Já não era apenas uma questão de poluição, mas de viver em harmonia com o ambiente. Grandes intenções, mas ainda sem soluções a implementar.

Hoje em dia as alterações climáticas estão no centro de todas as discussões, mas estas não devem fazer-nos esquecer que os outros problemas não estão realmente resolvidos.

Esta semana, irei representar a Fundação Solar Impulse em Estocolmo +50 como Embaixador das Nações Unidas para o programa ambiental criado há 50 anos. A minha missão será continuar o trabalho iniciado pelo meu pai, e espero apagar a posteriori a frustração que ele aí sentiu. Tem contribuído para este despertar da consciência ecológica. Ele fez o máximo possível com o que foi possível em 1972, com a utopia de proteger o ambiente e a humanidade. Sonhou em poder conciliar adversários e defensores do decrescimento. Mas como poderia ser travada a marcha infernal daquilo a que tinha sido chamada a sociedade de consumo? Os imperativos económicos e financeiros eram tais que a luta era desigual. Não havia simplesmente soluções para proteger o ambiente, permitindo ao mesmo tempo o desenvolvimento da economia. Isto foi o que mudou em cinquenta anos.

A experiência familiar colocou-me no caminho do realismo, com o desejo de alcançar resultados tangíveis independentemente da sua própria ideologia. Quer seja à esquerda ou à direita, verde ou activista industrial, é uma questão de encontrar o nosso interesse comum. É neste sentido que quero agora mostrar o que pode ser feito após 50 anos de investigação científica. Quero destacar as mais de mil soluções concretas que protegem o ambiente de uma forma economicamente rentável e que a minha Fundação seleccionou ao longo dos últimos 5 anos.

Podemos finalmente sair do dilema entre um crescimento quantitativo poluente e uma diminuição do respeito pelo ambiente, mas arriscando, a longo prazo, a conduzir ao caos social. Enquanto em 1972, não existiam soluções unificadoras, em 2022, temos uma pletora delas. Entrámos agora numa nova narrativa. Podemos conciliar os extremos com soluções que se tornam oportunidades económicas e industriais, bem como ecológicas. Mas estas devem ser eficientes, no sentido em que permitem a obtenção de melhores resultados, ao mesmo tempo que consomem menos recursos. Para que se imponham no mundo, não são apenas as infra-estruturas que devem ser modernizadas, mas também a legislação de modo a incentivar muito mais a sua implementação. É a isto que os participantes desta Cimeira se devem dedicar.

Estocolmo 1972 serviu de fórum de expressão, mas não foi seguida de grandes mudanças. Esta consciência ambiental era essencial. Agora que as coisas são conhecidas e que as soluções existem, não há mais desculpas para não agir. Estocolmo+50 deve ser a última Cimeira da Terra, caso contrário, estas cimeiras continuarão a acontecer até ser demasiado tarde.


Publicada pela primeira vez no La Tribune e no website de Estocolmo+50

Escrito por Bertrand Piccard em 2 de junho de 2022

Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!