Notícias - 10 de fevereiro de 2021

Como a política pode estimular o crescimento do cleantech

- Foto por Crédito: Karsten Würth

Escrito por Expert: Azhan Hasan 5 min de leitura

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

Introdução

Tecnologia limpa, em suma, cleantech, refere-se a qualquer processo, produto ou serviço que possa ajudar a reduzir os impactos ambientais negativos através de métodos tais como melhorias significativas da eficiência energética, a utilização sustentável dos recursos, ou actividades de protecção ambiental. A cleantech inclui uma vasta gama de tecnologias relacionadas com a reciclagem, energia renovável, tecnologia da informação, transporte verde, química verde, iluminação, água cinzenta, e muito mais. Por outras palavras, os produtos ou serviços da Cleantech são aqueles que irão melhorar o desempenho operacional, a produtividade, ou a eficiência ao mesmo tempo que reduzem custos, insumos, consumo de energia, resíduos, ou poluição ambiental. Isto pode ser conseguido através de um maior interesse dos consumidores, reguladores e da indústria em formas limpas de produção e consumo, uma tendência que se observa actualmente em todo o mundo graças a uma compreensão cada vez maior da importância das alterações climáticas e do seu impacto sobre o ambiente natural.

As políticas e regulamentações governamentais têm sido reconhecidas como factores-chave que influenciam o desenvolvimento da cleantech, a par de outros factores, tais como despesas de I&D, financiamento e infra-estruturas. (Figura 1). Como tal, um forte apoio regulamentar à cleantech pode ser um importante motor para ajudar a encorajar a adopção de tecnologias limpas pelo mercado, estimulando a procura na economia, juntamente com os esforços para combater quaisquer barreiras à entrada na indústria.



Figura 1: Quadro do Índice Global de Inovação Cleantech
(Fonte: Índice Global de Inovação Cleantech 2017, página 72)


Políticas para a cleantech nas economias avançadas

Desde os anos 70, a regulamentação ambiental nos países desenvolvidos tornou-se muito mais rigorosa como parte de uma onda de nova regulamentação social que reflecte uma maior vontade governamental de intervir no mercado. Muitos países, particularmente na Europa, criaram agências ambientais a nível nacional. Nos EUA, este interesse crescente na regulamentação ambiental foi expresso na criação da Agência de Protecção Ambiental em 1970 e na aprovação da Lei do Ar Limpo em 1970 e da Lei da Água Limpa em 1972. Ambas as leis foram alteradas e regulamentos adicionais visaram questões tais como resíduos tóxicos, exigindo que as empresas comunicassem as libertações tóxicas e atribuindo responsabilidade pela limpeza de locais de resíduos tóxicos. Enquanto os opositores argumentam que estes regulamentos impõem custos às empresas e fazem com que estas se mudem para outros locais, os regulamentos ambientais têm desempenhado um papel fundamental no avanço de uma economia mais sustentável. Os regulamentos Cleantech podem estimular a inovação ao exigir mudanças tanto na forma como as empresas operam como nas tecnologias que utilizam, não só proporcionando benefícios económicos para as empresas (por exemplo, através de uma maior eficiência energética) e para a sociedade, mas também proporcionando uma redução da poluição ambiental.

Quadro 1: A relação entre a (eco-)inovação e o emprego na Cleantech
(Fonte: https://wol.iza.org/articles/impacts-of-regulation-on-eco-innovation-and-job-creation/long)

Inovação de processos
(por exemplo, medidas de fim de ciclo)

Inovação de produtos

Tecnologias mais limpas

Positivo: Criação de emprego possível para a introdução de novas medidas

Negativo: A implementação de nova tecnologia pode criar custos

Positivo: Maior procura dos novos produtos da empresa


Negativo: Comportamento monopolista com menor produção para empresa baseada na inovação de produtos

Positivo: Melhoria da competitividade, maior procura impulsionada pela poupança de custos (poupança de material e energia)


Negativo: Os efeitos de poupança de mão-de-obra podem levar a uma redução da força de trabalho


As políticas favoráveis à Cleantech têm sido bem sucedidas na promoção do crescimento das energias renováveis, de soluções de eficiência energética e muito mais. Ao fazê-lo, isto favoreceu tecnologias mais limpas e mais eficientes e ajudou a transição para uma economia mais sustentável. O quadro 2 abaixo apresenta oito instrumentos políticos e regulamentares com oito economias emergentes, a fim de compreender a sua contribuição significativa para estimular o desenvolvimento da indústria da cleantech e impulsionar o crescimento económico.


Quadro 2: Factores de Inovação específicos da Cleantech - Política/ambiente regulamentar para países seleccionados do Programa Global de Inovação da Cleantech (GCIP)
(Fonte: The Global Cleantech Innovation Index 2017)

Países

Área de política/regulamentação

Arménia

Índia

Malásia

Marrocos

Paquistão

África do Sul

Tailândia

Turquia

Imposto sobre o carbono/mercado de carbono

X

Incentivos fiscais de energia limpa

X

X

X

X

X

Títulos verdes; investimento verde apoiado ou detido pelo governo

bancos; fundos de investimento verdes

X


X

X

Investimento/empréstimo/subsídios governamentais para a cleantech

X

X

X

Obrigações de transporte; eficiência/emissões de transporte

normas

X

X

X

X


X

X


X

Tarifas de energia renovável padrão e/ou de alimentação; Obrigação de quota de serviços públicos de electricidade

X

X

X

X

X

X

X

Concursos públicos/concursos públicos ecológicos

X

X

X

X


X

Apoio governamental a programas universitários/pesquisa sobre cleantech

X

X

X

X



Como é que a regulamentação pode ajudar a desenvolver o cleantech? O caso da economia circular

A economia circular está gradualmente a ser vista como uma forma de fomentar a mudança da sociedade para um sistema mais eficiente em termos de recursos a nível da OCDE, da ONU e da UE, melhorando assim a competitividade e a capacidade de resposta ao desafio ambiental global. Na última década, pelo menos 10 países da Europa e Ásia-Pacífico, incluindo a China, Singapura, Malásia, Taiwan e Nova Zelândia, desenvolveram iniciativas preparatórias, incluindo métricas, roteiros e estratégias nacionais, para a transição para - e eventualmente implementar - os princípios da economia circular. Vários regulamentos ou políticas foram implementados quer nas economias avançadas quer nas economias em desenvolvimento, nos seus esforços para promover a economia circular em todos os aspectos das paisagens industriais. Os regulamentos sob a forma de proibições, quotas, taxações e esquemas de responsabilidade alargada do produtor (EPR) foram introduzidos em várias indústrias, a fim de apoiar o crescimento da economia circular e conseguir uma utilização mais eficiente dos recursos.

A UE tem sido uma defensora particularmente interessada das políticas de apoio ao crescimento da cleantech na economia circular. A Comissão Europeia apresentou um Pacote de Economia Circular em 2015 com o objectivo de melhorar a relação custo-eficácia, alcançar um melhor equilíbrio das contas correntes, alcançar mais auto-suficiência de recursos, criar novos empregos e cumprir as metas climáticas. Para além deste pacote, o Roteiro da UE para um recurso eficiente e um Sétimo Programa-Quadro contribuíram para a promoção da economia circular como uma agenda económica nacional. Em 2018, a UE lançou também o seu primeiro quadro de política regional, a "Estratégia da UE para os Plásticos numa Economia Circular". O quadro utiliza uma abordagem de ciclo de vida específica do material para integrar a concepção, utilização, reutilização e reciclagem circulares nas cadeias de valor dos plásticos. Estas decisões políticas criaram um espaço para a inovação no consumo e produção, ajudando a estimular o crescimento de soluções e processos eficientes e sustentáveis para ajudar a transição para uma economia circular, valorizando mais os recursos.

Graças ao crescimento das políticas de apoio à economia circular, a transição para um futuro mais eficiente em termos de recursos está bem encaminhada. Por exemplo, os argumentos comerciais para a adopção da circularidade na indústria química estão a tornar-se mais convincentes devido a um panorama político em mudança, deslocando a procura tanto dos consumidores como dos principais mercados a jusante, incluindo serviços públicos, transportes, têxteis e vestuário, electrónica, produtos de limpeza, alimentação e agricultura, e cosméticos e beleza. Entre as mudanças recentes que ocorrem, em parte devido a políticas favoráveis, estão os esforços cada vez maiores para explorar materiais de base biológica como fontes de matérias-primas alternativas, sendo hoje aproximadamente 10% da matéria-prima orgânica de base biológica. Uma análise recente do governo alemão identificando 30 tendências na indústria química até 2030 destaca o impacto que a regulamentação e a política podem ter no estímulo à inovação e processos mais limpos. Estas tendências foram analisadas em relação aos motores subjacentes, e avaliadas de acordo com o seu provável impacto. Os resultados mostraram que muitas inovações em importantes indústrias clientes da indústria química são esperadas, tais como nas indústrias automóvel, de construção e de embalagem.

Conclusão

É muito oportuno que os governos estabeleçam políticas e regulamentos ambiciosos para estimular a inovação e o crescimento de tecnologias limpas para mitigar as alterações climáticas, bem como para preservar o ambiente. Organizações como a Solar Impulse Foundation podem promover uma parceria inteligente a longo prazo com as partes interessadas, a fim de determinar as competências certas, bem como os recursos para acelerar soluções sustentáveis, tecnologias limpas, pensamento inteligente e futurista no sentido de melhores decisões económicas para apoiar o nosso ambiente.


Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!