Entrevistas - 2 de abril de 2019

Investor Focus - Entrevista com Katya Akulinicheva, SYSTEMIQ

edifícios

Escrito por Tristan Lebleu 5 min de leitura

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

Procurar novas oportunidades, dar às empresas a oportunidade de escalar, assumir riscos financeiros, apoiar as empresas... Os investidores Cleantech têm um papel crucial a desempenhar na corrida para a construção de um futuro sustentável. Na nossa última série, encontramo-nos com os indivíduos e empresas que estão envolvidos no financiamento da revolução Cleantech. Nesta primeira entrevista, discutimos com Katya Akulinicheva, que actualmente supervisiona as actividades de investimento do SYSTEMIQ.


interview

Pode dizer-nos mais sobre o SYSTEMIQ?

SYSTEMIQ é um agente de mudança de sistemas cuja missão principal é enfrentar os desafios climáticos e de sustentabilidade. Concentramo-nos principalmente em três áreas: uso do solo, materiais circulares e energia. O nosso trabalho é multifacetado. A nossa primeira actividade, a nível macro, é aquilo a que chamamos "construção de coligação". Reunimos grandes instituições e corporações em torno de um problema particular e criamos uma plataforma para que discutam, debatam e cheguem a acordo sobre os caminhos para alcançar uma mudança transformacional. SYSTEMIQ actua como secretariado destas coligações, gerindo as interacções entre cada entidade, e produzindo investigação e análise. Alguns exemplos de tais coligações são "A Comissão de Transição Energética", que é um grupo de instituições e corporações que se debruçam sobre a forma de avançar na transição da energia limpa, e "A Coligação para a Alimentação e Uso da Terra". Acreditamos que é crucial ter esta influência de cima para baixo e para nós é uma oportunidade de contribuir para a mudança de políticas e para a transformação das decisões empresariais no sentido de fazer avançar a sustentabilidade no uso do solo, nos materiais circulares e na energia

A segunda camada é de consultoria e aconselhamento. Fazemos as coisas de forma bastante diferente das empresas tradicionais de consultadoria. Trabalhamos com os nossos clientes numa base de longo prazo, quase como parceiros. O nosso objectivo é apoiá-los na implementação da mudança em vez de nos mantermos a um nível estratégico. Para além disso, temos também algumas actividades de incubação.

Também criamos com os nossos parceiros soluções para enfrentar importantes desafios de sustentabilidade. Por exemplo, o Projecto STOP, co-fundado pela Borealis e SYSTEMIQ, é uma parceria municipal que cria sistemas de gestão de resíduos circulares na Indonésia para evitar fugas de plástico oceânico e criar empregos e oportunidades de geração de rendimentos para a comunidade local.

Finalmente, a nossa terceira actividade é o investimento na fase inicial. Apoiamos empresas de tecnologia disruptiva em fase inicial que se enquadram no nosso modelo de mudança global e na nossa missão. Investimos em soluções rentáveis, escaláveis e comerciais para os desafios climáticos e de sustentabilidade.

Qual é a abordagem específica do SYSTEMIQ quando se investe numa empresa?

A nossa especificidade é adoptar sempre uma abordagem de colaboração. Se houver uma ronda com múltiplas pessoas envolvidas, não lutamos por uma posição de liderança. Consideramos o nosso dinheiro como um ponto de entrada para a oportunidade de apoiar uma empresa, e não como a principal razão pela qual nos envolvemos com eles. Por isso, tentamos adoptar uma abordagem de desenvolvimento do ecossistema. Na verdade, quanto mais capital trouxermos nesta ronda, melhor. Alavancar o nosso dinheiro para trazer mais dinheiro é uma grande parte da forma como pensamos sobre o nosso papel.

Quais são os vossos principais critérios quando investem numa empresa?

Obviamente, temos alguns critérios tradicionais de capital de risco. Quando analisamos uma oportunidade de investimento, olhamos para as competências e complementaridade da equipa, a dimensão do mercado, o desenvolvimento do produto, etc. Fazemos investimentos de sementes tardios, Série A e por vezes Série B. Normalmente investimos em empresas numa fase inicial, mas que já têm uma certa tracção comercial.

Depois, o nosso segundo critério é mais centrado na forma como uma empresa se enquadra nas actividades do SYSTEMIQ. O que estamos realmente a tentar encontrar são oportunidades onde possamos ser um investidor diferenciador. Queremos que estes investimentos sejam sinérgicos com o nosso trabalho. Quanto mais fundo formos em áreas que realmente conhecemos bem na nossa função consultiva, mais probabilidades temos de apoiar com sucesso as empresas da nossa carteira. Antes de decidirmos sobre um investimento, passamos muito tempo a discutir "Como podemos realmente fazer a diferença neste empreendimento? Até que ponto conhecemos bem a indústria? Podemos ajudá-los a descobrir o seu modelo de preços e os seus potenciais clientes?". Portanto, só investimos em empresas que tenham uma ligação estreita com o resto do nosso trabalho.

Em termos gerais, qual seria a particularidade de investir numa empresa cleantech?

Depende realmente do sector para o qual se está a olhar. Mas em geral, há algumas coisas que são comuns a muitas empresas de cleantech. Em primeiro lugar, muitas delas são B2B, o que já é um grande desafio. Outra particularidade é que olhamos frequentemente para mercados regulados ou mercados que ainda não existem totalmente. A forma como as coisas se desenrolam no espaço da cleantech são um pouco menos previsíveis do que outras indústrias. Por exemplo, não sabemos exactamente qual será a absorção das baterias solares residenciais. Enquanto todos nós acreditamos no futuro da energia distribuída, não sabemos exactamente quando isso irá acontecer. Do lado material, todos estamos agora conscientes do desafio da poluição por plásticos, mas hoje em dia as alternativas são caras e até que o governo ponha em prática algum tipo de imposto, estas alternativas não vão realmente arrancar. Portanto, há definitivamente muito mais incerteza e, portanto, mais riscos quando se investe em empresas desses sectores.

Quais são as tendências actuais em cleantech que estão a ser analisadas?

Estou realmente curioso sobre como a Inteligência Artificial terá impacto no sector da cleantech, especialmente na compreensão dos riscos climáticos, como somos capazes de os prever e de os traduzir em verdadeiros riscos económicos mensuráveis. Fechámos recentemente um investimento numa empresa chamada Jupiter Intelligence que desenvolveu algoritmos que dão uma compreensão de como as alterações climáticas irão afectar os activos das infra-estruturas a curto prazo. Isto tem impacto na forma como os seguramos, como os financiamos, e deve, em última análise, apoiar uma reafectação de capital para activos mais resilientes.

A segunda área em que estou muito interessado é a inovação material, e especialmente encontrar alternativas ao plástico. Todo o tema ganhou tanta visibilidade nos últimos anos, mas quando se olha para o que foi realmente feito, ainda não temos realmente alternativas. Portanto, estou realmente interessado em ver inovações tanto em materiais alternativos como em modelos diferentes que evitem completamente a necessidade desse material.

Escrito por Tristan Lebleu em 2 de abril de 2019

Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!