Notícias - 17 de novembro de 2020

Rumo a uma viagem aérea sustentável: Desafios e Oportunidades

- Foto por Jerry Zhang

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

O Dr. Asteris Apostolidis é um Perito da Fundação Solar Impulse. Trabalha para a Air France-KLM na área de Gestão da Inovação Tecnológica, como membro do Gabinete de Estratégia Tecnológica do Grupo. Os seus interesses científicos incluem Inteligência Artificial em Sistemas Aeronáuticos, Sustentabilidade no Transporte Aéreo, Arquitecturas Aeronáuticas Inovadoras, MRO da Aviação e Desenvolvimento & Execução de Estratégias. Neste Artigo Técnico, Asteris expõe porque é que a sustentabilidade na aviação nunca foi tão importante, e que acções podem ser tomadas no sector.

É indubitável que a actual pandemia da COVID-19 tem um impacto dominante no nosso bem-estar colectivo e pessoal. Neste momento, a economia global está em declínio, enquanto muitos de nós reavaliamos vários aspectos das nossas próprias vidas. O transporte aéreo é uma das indústrias mais impactadas por muitas razões. Predominantemente, todas as restrições de viagem impostas têm um efeito adverso no tráfego de passageiros, o que levou a maioria das companhias aéreas a ultrapassar os seus limites.

Neste contexto, poderia ser razoável que o sector do transporte aéreo enfatizasse a sobrevivência a curto prazo e se afastasse de dar prioridade à sustentabilidade ambiental. No entanto, com o tráfego aéreo praticamente parado, o impacto de voar para o ambiente tornou-se ainda mais evidente. Com os preços do petróleo a cair desde o início de Março para um colapso recorde, Jeffrey Currie, chefe das mercadorias na Goldman Sachs, disse ao jornal The Guardian que as consequências da pandemia irão provavelmente "alterar permanentemente a indústria energética" e "deslocar o debate em torno das alterações climáticas". Uma vez que a maioria das companhias aéreas implementou vários programas de transformação para fazer face à crise, surgiu uma oportunidade rara, especialmente na Europa. Muitos destes planos de transformação incluíam elementos importantes sobre sustentabilidade para as viagens aéreas. De facto, algumas companhias aéreas e fabricantes de aeronaves começaram a trabalhar na transformação verde muito antes da pandemia. No entanto, estes planos parecem ter sido acelerados. Há muitas explicações possíveis para tal, mas pode ser principalmente atribuído à crescente consciência ambiental da sua base de clientes, à decisão estratégica da União Europeia de prosseguir com o Acordo Verde Europeu e ao crescente sentido de responsabilidade social corporativa entre executivos e empregados das companhias aéreas.

A pandemia do coronavírus é um exemplo revelador de como se apresenta uma crise global. No entanto, a principal diferença com a emergência climática é que a primeira era imprevisível, enquanto que existem inúmeros avisos para a segunda. Seria irresponsável ignorá-los e renunciar à responsabilidade das companhias aéreas ao abordá-los. A experiência até à data identificou três pilares técnicos principais que podem conduzir as viagens aéreas a um futuro mais sustentável: Melhoria da eficiência operacional, arquitecturas de aeronaves disruptivas e multimodalidade.

É possível alcançar uma melhor eficiência operacional a curto e médio prazo com uma maior utilização da Inteligência Artificial: É uma prática comum hoje em dia para as companhias aéreas a utilização de métodos baseados em dados em vários domínios operacionais. Por exemplo, a melhoria da eficiência do combustível pode ser conseguida analisando padrões ocultos nos dados de voo e racionalizando a forma como as aeronaves são operadas. Outra possibilidade interessante é melhorar a utilização de dados operacionais a fim de melhorar as práticas de manutenção dos motores, estruturas aéreas e outros componentes das aeronaves. Desta forma, a ciência dos dados tem o potencial de melhorar o ciclo de vida das peças, resultando em menos desperdício em material normalmente muito caro. Ao mesmo tempo, o planeamento da manutenção pode fazer uso de dados históricos para identificar o momento ideal para a revisão do hardware, o que geralmente também leva a um melhor consumo de combustível. Em geral, a IA tem o potencial de trazer algumas mudanças na forma como as aeronaves são concebidas, operadas e mantidas. Contudo, como a aviação é um domínio estritamente regulamentado devido a considerações de segurança, um impedimento principal é a falta de procedimentos de certificação para aplicações baseadas em IA críticas em termos de segurança. No entanto, existem actualmente esforços a nível da indústria para desenvolver as normas necessárias que tornarão a Inteligência Artificial certificável na aviação.

Olhando um pouco mais para o futuro, veremos uma pletora de novas e muito interessantes tecnologias aeronáuticas que podem mudar para sempre a forma como voamos. Novas configurações de motores prometem um maior desempenho térmico, com indubitáveis efeitos ambientais positivos. Ao mesmo tempo, há um esforço global coordenado para desenvolver as tecnologias necessárias que permitirão um aumento acentuado da produção de Combustível Sustentável para a Aviação (SAF). Há muitas formas de produzir SAF, mas a produção ética faz uso de diferentes tipos de resíduos, tais como óleo de cozinha e esta é a razão pela qual a produção actual é bastante limitada. Para além disso, uma nova geração de aeronaves disruptivas prevê a utilização de hidrogénio como combustível de aviação, quer directamente queimado nos motores, quer em combinação com células de combustível. Outras possibilidades interessantes são as aeronaves eléctricas ou híbridas eléctricas baseadas em baterias, que têm, no entanto, limites operacionais. Por último, existem numerosos exemplos de inovação na aerodinâmica, com diferentes propostas de concepção futurista de aeronaves. Todas as tecnologias acima mencionadas estão actualmente em diferentes fases de desenvolvimento, esperando-se que as mais maduras sejam implantadas algures no final desta década. No entanto, mais uma vez as considerações de segurança são muito importantes para o sucesso destas soluções, juntamente com uma necessária transformação da cadeia de fornecimento - muito complexa -. É certo que todas as novas tecnologias implicam também numerosos desafios operacionais.

O terceiro, promissor instrumento para enfrentar o impacto ambiental da aviação, é o desenvolvimento do transporte multimodal. A multimodalidade faz uso de diferentes modos de mobilidade, a fim de oferecer a melhor opção aos passageiros do ponto de vista ambiental. Um exemplo é a combinação perfeita do transporte aéreo e ferroviário, onde um passageiro pode combinar ambos num só bilhete. Ao fazê-lo, pode-se fazer uso de um voo de longo curso e de uma viagem de comboio para a última parte da sua viagem, evitando voos regionais desnecessários. Ao mesmo tempo, a multimodalidade pode abrir um novo modelo de negócio, em que as ligações não levam aviões apenas nos grandes aeroportos centrais, mas também em aeroportos mais pequenos com ligações ferroviárias. Esta solução apresenta uma série de riscos relativamente às práticas comerciais actuais e estabelecidas, mas também pode conduzir a parcerias mais amplas. No futuro, para além da combinação entre viagens aéreas e ferroviárias, outros modos de transporte poderão vir a fazer parte deste modelo. Por exemplo, Hyperloop ou eVTOL (também conhecido como Mobilidade Aérea Urbana) têm o potencial de oferecer um "primeiro e último quilómetro" sustentável aos passageiros.

Algo que vale a pena mencionar é que o prazo para a introdução dos três pilares principais acima referidos não será o mesmo em todo o mundo; depende de uma mistura de geopolítica, investimentos, objectivos de emissões governamentais e, claro, do comportamento dos consumidores. No entanto, parece que a Europa será pioneira neste contexto. Para colocar as coisas em perspectiva, é também importante mencionar que antes da pandemia, 72% das emissões de gases com efeito de estufa provenientes dos transportes na Europa eram devidas ao transporte rodoviário, contra 14% para o transporte aéreo, de acordo com a Agência Europeia do Ambiente. Consequentemente, a descarbonização das estradas é uma prioridade ainda maior para os decisores políticos.

O transporte aéreo serve fundamentalmente a sociedade, aproximando as pessoas e apoiando a circulação de mercadorias. Este é também o caso durante a pandemia em curso, quando as companhias aéreas transportaram a circulação global de fornecimentos e espera-se que contribuam para a distribuição das vacinas, uma vez que estas comecem a ser produzidas. No entanto, uma maior resiliência da indústria é primordial com a emergência climática no horizonte. A missão social das viagens aéreas é amplamente reconhecida e o seu futuro depende da forma como o transporte aéreo se vai adaptar a estes novos desafios.

Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!