Entrevistas - 30 de junho de 2022

O Perito do Mês de Julho: Paola Amato!

Escrito por Sofia Iorio 5 min de leitura

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

Os nossos peritos estão no centro da Fundação Solar Impulse, desempenhando um papel vital na avaliação de Soluções que procuram o Rótulo de Solução Eficiente. A Comunidade de Peritos é composta por pessoas altamente experientes dos ramos da ciência, engenharia e negócios, com representação de mais de 50 países.

O Especialista do Mês de Julho: Paola Amato!

Todos os meses reconhecemos o trabalho árduo de um Perito que foi além e acima no seu papel. Temos o prazer de anunciar que o Perito do Mês do mês de Julho é Paola Amato! Desde que aderiu à Comunidade de Peritos, Paola tem realmente impressionado com as suas avaliações de alta qualidade e escrutínio de possíveis Soluções.

Neste artigo, ouvimos mais sobre as experiências e conhecimentos de Paola Amato.

Por favor, partilhe algo sobre si!

Venho de uma família muito multicultural que coloca a educação e a cultura no centro da vida. Embora ainda mantenha uma sólida formação STEM (sou arquitecto/engenheiro), quando criança/adolescente fui encorajado a aprender várias línguas e a estudar com igual empenho várias disciplinas que vão desde filosofia, literatura, história, matemática. Apesar de ser invulgar para um italiano da minha geração, o inglês foi e continua a ser a minha primeira língua, pois aprendi-o desde cedo com a minha avó que era intérprete de russo, francês e inglês e entre as poucas mulheres que frequentaram a Universidade de Estudos Orientais de Nápoles nos anos 20. Este tipo de formação ajudou a moldar a minha vida profissional, facilitada pelo facto de hoje dominar inglês, espanhol, japonês, francês e compreender português. Ajudou-me também a assumir diferentes papéis profissionais que seriam importantes para me tornar especialista e avaliadora para a CE e outros doadores internacionais. Penso que o maior esforço que me ajudou e que ainda é uma mais-valia na minha vida profissional é a minha experiência japonesa: Adquiri competências de comunicação oral e não verbal num ambiente muito duro e estimulante, trabalhando no Japão para um instituto de investigação (Building Research Institute) que pertencia ao Ministério da Construção. Este instituto, além de promover a pesquisa pura, produziu as normas técnicas aprovadas pela Dieta Japonesa (Parlamento). Ser um cientista no Japão exigia nervos de aço, paciência mas também imensa diplomacia e competências em questões técnicas. Nós, investigadores europeus, seleccionados pela CE através de concursos de peritos, fomos orgulhosamente chamados pela Delegação da CE em Tóquio como "embaixadores da CE na Ciência no Japão", que veio como uma grande honra mas que também tinha grandes responsabilidades.

Qual é a sua área de especialização e profissão?

Ao longo da minha carreira profissional, já cobri vários cargos: Oficial de programa, auditor de investigação, perito em monitorização e avaliação, investigador, conselheiro técnico da Embaixada do Japão em Itália, profissional urbano, perito em projectos e finanças de projectos da UE, funcionário público. Em tais funções, trabalhei em desenvolvimento urbano sustentável integrado e governação, gestão pública, ajuda estatal e estruturas de financiamento nos países da UE. Ganhei também uma sólida experiência na elaboração de planos urbanos/territoriais abrangentes e sectoriais e quadros/códigos regulamentares relacionados especificamente na prevenção e gestão de riscos, planeamento da indústria extractiva não energética, planeamento/gestão da água, planeamento e regulamentação das fontes de energia renováveis, planeamento das alterações climáticas, gestão/planejamento sustentável das zonas costeiras.

Tem um Mestrado e licença profissional em Arquitectura mas parece ter-se aventurado também noutras disciplinas. Como desenvolveu o seu interesse por temas relacionados com a sustentabilidade?

Ganhei uma perspectiva mais ampla sobre sustentabilidade, não só de um ponto de vista técnico, mas, mais importante, trabalhando em 2 outros aspectos que considero relevantes, e que são frequentemente ignorados por pessoas com formação em STEM. O primeiro responde à questão: quais são as implicações legais da legislação - seja ela nacional/internacional como o acervo da UE - o seu impacto e aplicações concretas sobre a governação, os territórios e as comunidades locais? A segunda implica ser capaz de comunicar e fazer questão de ajudar a compreender e a adoptar a inovação, o que exige adquirir e desenvolver constantemente boas capacidades de comunicação.

Dito isto, tenho-me interessado pela sustentabilidade desde muito cedo na minha vida educacional e profissional e isto, como ainda mantenho, graças a um interesse multidisciplinar que sempre nutri, e que representa de facto um trunfo, sendo agora um especialista e avaliador. Juntamente com um Mestrado e uma licença profissional como Arquitecto, fiz e completei em 2019 um Mestrado de 2 anos na Faculdade de Direito da Universidade de Roma2 Tor Vergata em "Lobbying, legislação comunitária e nacional, anticorrupção". Este mestrado, in primis, ajudou-me a compreender a origem da política da UE e quais são as fases de pré-negociação e pós-negociação que trazem uma lei a ser concretamente implementada num determinado território e numa comunidade.

Mais recentemente, ingressei num doutoramento em Energia&Sustentabilidade na Universidade de Perugia (Departamento de Engenharia do CIRIAF), após ter passado numa selecção nacional italiana para aceder a estudos de doutoramento.

Como aprendiz inquieto e com um interesse concreto na comunicação, no ano passado frequentei um curso de "Retórica e a arte de falar em público" promovido pela Universidade de Harvard (edX Platform). Neste curso estudámos discursos de pessoas como Martin Luther King, Ronald Reagan, e muitas outras personalidades de opiniões políticas opostas. Escusado será dizer que a frequência deste curso aumentou a minha capacidade de comunicar melhor e de defender novas ideias junto de audiências específicas ou do grande público, o que creio ser hoje essencial para um especialista quando se trata de questões complexas como a sustentabilidade. Todas estas são competências que sou tão entusiasta de partilhar com a Solar Impulse e especificamente com os Inovadores dentro do "Chatbox" que encontrei de extremo interesse.

Como começou a sua viagem como Avaliador para a Comissão Europeia?

Sou avaliador desde há muitos anos, começando desde o início da minha carreira como auditor de investigação e oficial de programa de uma instituição de investigação italiana. Como investigador no Japão, avaliei por acaso alguns planos urbanos importantes localizados em cidades descentralizadas remotas, o que foi uma tarefa tão gratificante, uma vez que a maioria dos planos tinha sido concebida por famosos Arch-stars.

Nos últimos anos, fui avaliador para a Comissão Europeia no âmbito do H2020 e Marie Curie, para a Associação Eureka e para outros doadores internacionais como a Comissão Nacional do Reino Unido para a UNESCO; esta última esteve no âmbito do Prémio Newton para a investigação de excelência com, entre outros, países como a China, as Filipinas, mas também a Jordânia e a África do Sul. Hoje tenho outras missões com instituições da UE no quadro da Horizon Europe, o que me dá uma imagem clara de como a inovação e o empreendedorismo são animados e solidamente apoiados pela UE, apesar das injustas reivindicações por parte das franjas mais populistas presentes hoje em dia em alguns Estados Membros.

Desde que aderiu à Comunidade de Peritos, completou uma série de Avaliações! Que soluções entre as que avaliou o impressionaram pelo seu impacto?

Apesar da minha preferência específica por certas inovações que propõem novas FER (fontes de energia renováveis) ou o aumento da qualidade do ar, fiquei em geral impressionado com a elevada qualidade das soluções apresentadas pelas empresas; uma prova de que existe um enorme empenho por parte da Fundação Solar Impulse na identificação de soluções sustentáveis com um elevado grau de inovação e no fornecimento de um verdadeiro apoio às empresas candidatas cujos produtos representam um benefício concreto para o nosso ambiente e sociedades.

Devo dizer que o Solar Impulse tem um processo de candidatura muito interessante mas também uma forma de ligar produtivamente o avaliador e o Inovador através de um diálogo contínuo através da caixa de chat, o que é uma vantagem e tanto. Considerei-o extremamente útil porque pode clarificar aspectos que o avaliador considera importantes e que muitas vezes tem de fazer, como no meu caso, com o cumprimento de certos quadros políticos/normativos especialmente no mercado da UE e com a explicitação, por parte da empresa, dos potenciais benefícios/impactos societais a longo prazo que a inovação pode gerar.

Devo também dizer que, na sua maioria, estou particularmente impressionado com as soluções propostas pelas empresas europeias que levam a sustentabilidade muito a sério e que têm investido bastante em recursos humanos e financeiros. Relativamente a um aspecto pode dizer-se que as PME da UE trabalham num bom quadro legal e normativo, que reflecte a clara sinergia entre a UE e os Estados-Membros na produção e manutenção de um acervo complexo para apoiar tecnologias e ideias sustentáveis. Além disso, a maioria delas tem uma tão boa capacidade de comunicar a sua inovação, como também prova de que estão habituadas a obter financiamento da UE e de fontes nacionais, e por isso sabem como melhor apresentar a sua inovação.

Quais são as suas esperanças para as Soluções Etiquetadas, e para a Fundação Solar Impulse mais amplamente?

Juntei-me à comunidade Solar Impulse depois de ler cuidadosamente um apelo a peritos publicado pela Comissão Europeia e de ouvir algumas apresentações do Sr. Bertrand Piccard sobre a desafiante missão da Fundação e as necessidades prementes de entregar soluções concretas para o ambiente. Notei também que a cooperação com a CE e as suas instituições enriqueceu a qualidade da avaliação e fez um acesso preferencial com algum do financiamento da EIC da UE. Devo também dizer que o Solar Impulse continua a ser único na sua avaliação, uma vez que, evidentemente, não é uma oferta pública mas um processo aberto onde todas as partes podem obter benefícios e enriquecer as suas próprias competências.

Mais alguma coisa que gostaria de partilhar?

Estou particularmente impressionado com o pessoal do Solar Impulse, todos jovens e motivados e desejo uma cooperação cada vez mais estreita com a CE e as suas instituições na consecução de objectivos ambiciosos para continuar a apoiar soluções sustentáveis.


Interessado em tornar-se um Perito com a Fundação Solar Impulse? Saiba mais aqui.

Escrito por Sofia Iorio em 30 de junho de 2022

Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!