Posto Convidado - 7 de janeiro de 2019

Posto Convidado: "Cinco maneiras a indústria das viagens está a tornar-se mais amiga do ambiente"

aviões na pista

Escrito por Jens Wohltorf

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

Um estudo que abrange 160 países concluiu que as emissões de carbono da indústria do turismo aumentaram em relação às estimativas anteriores, e agora compreendem 8% das emissões globais. Então, o que podem as empresas de viagens fazer a este respeito? Em cada passo da viagem do viajante, as empresas estão a encontrar novas soluções para tornar os seus serviços e produtos mais amigos do ambiente.

Os benefícios são claros: embora a conversão para tecnologias e práticas mais amigas do ambiente possa parecer dispendiosa a curto prazo, estas soluções acabam por ser mais rentáveis e eficientes a longo prazo. Também distingue as empresas da concorrência, acrescenta valor ao seu serviço e pode atrair novos clientes com consciência ecológica.

Compensação de carbono

A compensação de carbono é uma das formas mais acessíveis para a indústria de viagens dar conta das suas emissões. Empresas terceiras como a Carbon Footprint calculam as emissões e depois aconselham como investir em projectos de energia limpa e renovável em todo o mundo.

Algumas companhias aéreas compensam as suas emissões de carbono e muitas empresas compensam as suas emissões baseadas em viagens. Em terra, a Blacklane compensa não só as emissões de todas as viagens realizadas em todo o mundo, mas também as emissões das operações diárias. Estas incluem aquecimento, electricidade, consumo de água, voos, e estadias em hotéis em todo o mundo.

Olhando para dentro

Quando se trata de operações diárias, os escritórios podem adaptar processos e materiais. A redução do uso de papel e a reciclagem do papel é uma das mais comuns. A United Airlines tem recebido elogios pelo seu programa de reciclagem, a par de outros esforços ecológicos.

Uma empresa que encarna verdadeiramente a atitude amiga do ambiente é a Patagónia. A sua atitude ambientalmente consciente é inerente à sua promessa de marca, por dentro e por fora. Cada vez mais empresas de viagens estão a adoptar um ethos semelhante para explorar o crescente mercado do eco-luxo.

Conversão para materiais amigos do ambiente

Desde pequenos turnos como a Alaskan Airlines e a American Airlines, passando de palhinhas de plástico para palhinhas reais, até à companhia aérea irlandesa Ryanair, que se compromete a livrar-se de todos os plásticos de utilização única nos seus voos nos próximos cinco anos, muitos gigantes de viagens estão a ter um grande impacto ao mudar alguns dos mais pequenos elementos do seu serviço para diferentes materiais.

E não se trata apenas de companhias aéreas. A Royal Caribbean cruise line anunciou que também tem planos para se livrar dos plásticos de utilização única. Os hotéis Hilton estarão livres de palhinhas de plástico até ao final do ano. Marriott está a mudar para produtos de banho mais amigos do ambiente.

Encontrar fontes alternativas de energia

No início deste ano, Qantas realizou voos entre o Pacífico com uma mistura de 10 por cento de biocombustível. O que parece ser uma mudança incremental poderia na realidade ter um enorme efeito, com as emissões das viagens aéreas a crescer quatro vezes nos próximos 30 anos.

Em terra, isto significa veículos eléctricos, e não apenas no sector privado. O serviço de motorista de Blacklane oferece agora uma classe de serviço de veículos eléctricos sem emissões, a Classe Verde, em 26 cidades até agora.

Quebrando novo terreno

A outra opção é criar algo inteiramente novo com o objectivo da sustentabilidade. O ecoturismo descolou, com resorts inteiros a injectar sustentabilidade em todos os aspectos da experiência.

Um exemplo notável é o Resort Soneva Kiri na Tailândia. O mantra do resort é sobre viver o SLOW LIFE (que significa Sustentável, Local, Orgânico, Bem-estar, Aprendizagem, Inspirador, Divertido, Experiências) e foi galardoado com The Butterfly Mark by Positive Luxury pelas suas práticas sustentáveis estendidas desde a construção até ao serviço do dia-a-dia.

Ou levar o Greenrail, um arranque que cria novas ligações ferroviárias a partir de materiais reciclados que podem ter um sistema piezoeléctrico integrado neles para gerar electricidade com cada comboio que passa por cima deles.

Qualquer que seja o método, o motivo é claro. Os viajantes de hoje esperam que as empresas e os produtos com que se alinham sejam éticos e ambientalmente responsáveis, e o benefício económico a longo prazo para as próprias empresas não pode ser ignorado.


Jens Wohltorf
CEO e co-fundador, Blacklane



As opiniões expressas são do autor, e não reflectem necessariamente as da Fundação Solar Impulse.

Os postos de convidados são artigos escritos pelos nossos Membros, Parceiros, principais líderes da indústria ou especialistas sobre tendências e inovações de tecnologias limpas que são interessantes para o ecossistema da Fundação Solar Impulse.

Escrito por Jens Wohltorf em 7 de janeiro de 2019

Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!