Opinião - 28 de agosto de 2019

O meu discurso aos Chefes de Estado na Cimeira do G7

Escrito por Bertrand Piccard 3 min de leitura

Informação

Esta página, originalmente publicada em inglês, é oferecida em português com a ajuda de tradutores automáticos. Precisa de ajuda? Entre em contato conosco

Caro Presidente Macron, Excelências,

Se estou aqui hoje à vossa frente, não é porque voei à volta do mundo num avião movido a energia solar, mas porque tenho provas de que as tecnologias limpas existem e podem atingir objectivos impossíveis. A boa notícia é que no domínio do ambiente, estas tecnologias tornaram-se rentáveis, o que significa que não estamos condenados entre combater o crescimento que cria o caos social e manter o crescimento quantitativo que temos hoje e que conduz ao caos ambiental. Há uma terceira via: o crescimento qualitativo.

Crescimento qualitativo significa que criamos empregos e geramos lucro ao substituir todos os sistemas, dispositivos e infra-estruturas ultrapassados, ineficientes e poluentes por outros modernos, que sejam eficientes e protejam o ambiente. Significa que hoje podemos ganhar mais dinheiro e criar mais empregos se adoptarmos um crescimento qualitativo que proteja o ambiente do que se continuarmos a destruí-lo. Todos os países poderiam voltar a ser "grandes", introduzindo energias renováveis e tecnologias limpas.

Por vezes precisamos destas soluções tecnológicas, e a Solar Impulse Foundation está agora a seleccionar 1000 delas para provar que é possível. Por vezes, o senso comum prevalece sobre a tecnologia. O transporte marítimo oferece-nos um exemplo perfeito. A Associação Marítima Francesa escreveu espontaneamente a carta SAILS que sugere uma série de compromissos para a indústria naval, a fim de ser muito mais sustentável. Um deles consiste em reduzir a velocidade dos barcos. Ao reduzir 20% da velocidade, as cargas reduziriam 34% das suas emissões de CO2. Isto significa que um terço das emissões poderia ser reduzido imediatamente através de uma ligeira redução da velocidade. Também sugerem a colocação de depuradores nas chaminés dos barcos, a substituição de combustível por gás natural para os motores, a instalação de energia em terra a fim de permitir que os barcos desliguem os seus motores auxiliares quando atracados.

Mas nada mudará em grande escala se as empresas que resistem a estas medidas não forem obrigadas a adoptar estas medidas. E é por isso que a ideia do Presidente Macron de criar coligações de países para aplicar estas medidas é extremamente importante. Porque se se deixar apenas algumas corporações pioneiras assumirem compromissos espontâneos, isso irá introduzir uma distorção da competitividade que é um desastre para toda a indústria. Assim, precisamos hoje de países que obriguem à adopção destas políticas espontâneas à escala global.

Agora, quando falamos de poluição e alterações climáticas, é bastante óbvio que toca o capítulo das desigualdades e é extremamente relevante que as desigualdades se tenham tornado um dos principais temas do G7. As desigualdades não são apenas moralmente inaceitáveis, são também estúpidas economicamente porque mantêm metade do mundo fora do consumo. Não é fácil compreender porque é que o sistema capitalista quer renunciar a metade dos seus consumidores. Também é perigoso porque as pessoas que não têm nada a perder sempre se vingarão. As desigualdades criam ódio, violência e instabilidade social, o que no final é perigoso para os países ricos e também para as pessoas ricas.

Por isso acredito que as pessoas que dizem que o problema vem do capitalismo estão erradas. Embora o objectivo do capitalismo seja aumentar o capital, o que estamos a fazer hoje, é destruir o nosso capital. Estamos a destruir o capital humano, espremendo tanto os salários que as pessoas não têm o suficiente para viver. Estamos a destruir o capital natural ao esgotar os recursos naturais, ao poluir o ar e o oceano, ao alterar o clima, ao colocar produtos químicos venenosos nos alimentos... Isto significa que o nosso mundo se tornou uma loucura. E o que precisamos hoje urgentemente são de líderes que possam pôr alguma ordem neste mundo louco. Espero profundamente que sejam vocês e desejo-lhes boa sorte.

Escrito por Bertrand Piccard em 28 de agosto de 2019

Você gosta deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos!